Literature · Portuguese Literature

Um pouco de ternura

A BIT OF KINDNESS
by Baptista-Bastos

Kindness dwelled in her eyes. A sweet smile soothed her lips and her face reflected the inner serenity of one who had never been punished by disregard nor injured by resentment. She was still young: standing in the shallow line that slightly divided people’s age between mature and old. Where did she come from? How old was she? Nobody knew. Sometimes she would apply lipstick on her withered lips. At times, she would display open necklines and sleeveless designs, showing the lustful outline of her breasts or her plump, opulent and sensual arms. She was tall, almost imposing; however, while walking up the steep street, with her feet almost not touching the ground, she seemed winged.

Continue reading “Um pouco de ternura”

English Literature · Literature

The Conscript

O RECRUTA
Excerto do Capítulo 1
by E. Temple Thurston

Era uma noite nos finais de Novembro. O nevoeiro que, durante a tarde, tinha permanecido deitado como uma besta agachada entre as casas apinhadas, agora levantava-se. Fora como se tivesse esperado até ao anoitecer pela sua presa e depois partido, deixando uma sensação de aborrecimento no ar que pesava persistentemente sobre as almas. Uma suave morrinha molhava a calçada. Embaciava as placas de vidro dos candeeiros de rua, esmorecendo o brilho da luz interior.

Nas janelas de todas as casas, as luzes eléctricas estavam acesas. Podiam-se ver empregados de escritório, homens e mulheres, debruçados sobre as suas secretárias. Alguns trabalhavam continuamente, sem desviar o olhar das suas ocupações; outros contemplavam a rua com rostos inexpressivos. Ocasionalmente, a figura de um homem saia da aparente escuridão de uma sala além. A luz espraiava-se em manchas sobre a sua cara. Podia ver-se os seus lábios a mexer à medida que falava para o ocupante da secretária; podia-se até vislumbrar a animação difusa na cara da pessoa a quem se dirigia. Mas apenas durava alguns momentos. O homem afastava-se e o olhar de cansaço apático instalava-se novamente sobre as feições do funcionário assim que este ou esta fossem deixados só.

(…)

Source: The Conscript by E. Temple Thurston

Literature · Portuguese Literature

O Mandarim

O MANDARIM
Excerpt from Chapter 1
by Eça de Queiroz

I rested on Sundays: I would then settle in the dining room’s couch, with a smoking pipe clinched between my teeth. I would gaze admiring Dona Augusta who, on Holly-days, used to clean out Lieutenant Couceiro’s dandruff with the use of egg white. This hour was always delightful, especially on Summer:  through the half-closed windows drifted in the noon’s warmth along with the distant chiming of the bells of Conceição Nova, the local church, and the cooing of the turtle doves on the veranda while the monotonous buzzing of the flies hovered over/above the old cambric cloth, Madam Marques’ former nuptial veil, which now covered the plate of pointed cherries on the sideboard; little by little, the Lieutenant, wrapped in a sheet like an idol in his cloak, would fall asleep under the gentle friction of Dona Augusta’s loving hands; and while perking up her plump white little finger, she would furrow the Lieutenant’s glossy thinning hair with the fine-toothed lice comb…

(…)

Source: O Mandarim by Eça de Queiroz

English Literature · Literature

The Avenger

O VINGADOR
Excerto do Capítulo 1 – Uma Visita Misteriosa
by E. Phillips Oppenheim

O homem e a mulher permaneceram frente a frente, embora que, na parca luz da lareira que solitariamente iluminava a sala, nenhum deles conseguia ver muito, salvo a silhueta um do outro. A mulher estava de pé ao fundo do apartamento, junto à secretária – a secretária dele. Os trémulos dedos esguios de uma das mãos estavam suavemente pousados sobre esta e a outra pendia a seu lado, nervosamente amarrotando a luva que descalçara uns minutos antes. O homem ficou de costas para a porta pela qual tinha acabado de entrar. Vestia roupa de noite; trazia um sobretudo no braço e o chapéu posto um pouco para trás na cabeça. Um cigarro ainda ardia entre os seus lábios, a chave que tinha utilizado para entrar em casa balançava no seu dedo mindinho. Até ao momento, nenhuma palavra havia sido trocada entre eles. Estavam ambos aparentemente estupefactos naquele momento, com a inesperada presença do outro.

O homem foi o primeiro a recuperar a compostura. Arremessou o seu sobretudo para uma cadeira e tocou nos manípulos de bronze atrás da porta.

Instantaneamente, a sala foi inundada com o brilho suave das lâmpadas. Agora conseguiam ver-se nitidamente. A mulher inclinou-se um pouco para a frente e havia espanto e medo a reluzir nos seus olhos suaves e escuros. Quando falou, a sua voz não lhe soou natural.

Para ele surgiu como uma surpresa, pois o mundo de homens e de mulheres era o seu estudo e reconheceu de imediato a sua qualidade.

“Quem é o senhor?” – exclamou ela. “O que deseja?”

Ele encolheu os ombros.

“Parece-me,” respondeu ele, “que eu poderia assumir mais adequadamente o papel de interrogador. No entanto, não tenho qualquer objeção em me apresentar. O meu nome é Herbert Wrayson. Posso perguntar,” continuou ele com sarcasmo tranquilo, “a que devo esta visita inesperada?”

(…)

Source: The Avenger by E. Phillips Oppenheim