Articles

Síndrome de Abstinência Neonatal

O aumento do consumo de drogas durante a gravidez, resultante do aumento da incidência da toxicodependência por parte de mulheres em idade fértil, tem sido verificado, em paralelo com uma tendência mundial crescente para o aumento do consumo de drogas ilícitas. A incidência exata do consumo de drogas ilícitas na Austrália é desconhecida. O mais recente Inquérito Nacional Domiciliário sobre Estratégias contra as Drogas (National Drug Strategy Household Survey) mostrou que, em 2010, aproximadamente 7,3 milhões de pessoas na Austrália (cerca de 2 em cada 5 pessoas) afirmou já ter consumido drogas ilícitas, enquanto quase 3 milhões afirmou ter consumido esse tipo de drogas nos últimos 12 meses (AIHW- Instituto Australiano de Saúde e Bem-estar, 2011). O número de mulheres grávidas toxicodependentes não é bem conhecido, apesar do aumento da sensibilização para o impacto que o abuso de drogas tem na saúde do bebé.

As mulheres grávidas dependentes de opióides têm um risco acrescido de terem complicações durante a gravidez e dos seus filhos virem a experienciar efeitos adversos. A conexão é complexa e poderá ser afetada por um leque de fatores, inclusive: o consumo de diversas drogas; cuidados de saúde pré-natais inadequados; nutrição deficiente; exposição a vírus transmissíveis pelo sangue; problemas de saúde mental; habitação e violência doméstica. Os partos de progenitoras dependentes de opióides, estimulantes ou canábis estão associados a um número de efeitos neonatais negativos. Os neonatos nascidos de progenitoras toxicodependentes têm uma maior probabilidade de nascerem antes da idade gestacional de 37 semanas, de nascerem com pouco peso e de serem admitidos nas unidades de cuidados intensivos neonatais ou em berçários para cuidados especiais, do que os neonatos nascidos de progenitoras sem tal diagnóstico (Burns, Mattick, Lim & Wallace, 2006).

A dependência de opiódies, incluindo o consumo de heroína, metadona, buprenorfina e o consumo de opióides de receita médica (tais como oxicodona, morfina, petidina e tramadol), está associada à Síndrome de Abstinência Neonatal (SAN), Esta síndrome é caracterizada pelos seguintes sintomas no neonato: disfunções gastrointestinais (inclusive dificuldade na alimentação, vómitos, regurgitação e diarreia); dificuldades respiratórias (tais como espirros, bocejos e taquipneia); aspeto marmoreado da pele; febre; tremores; choro gritado e tónus muscular aumentado (Finnegan, Connaughton, Kron, Emich, 1975). O neonato também poderá experienciar perturbações do sono, desidratação, dificuldades em ganhar peso e, ocasionalmente, convulsões. Esta síndrome tem o seu início, normalmente, nas 72 horas após o nascimento e poderá durar até várias semanas (Finnegan, Connaughton, Kron, Emich, 1975).

Abstinência neonatal grave é um indício para o tratamento farmacológico da SAN (Finnegan, 1980). A Escala de Avaliação de Abstinência Neonatal foi criada para controlar o desenvolvimento de neonatos que sofram de abstinência neonatal devido à exposição a opióides no útero (Finnegan, 1980). Esta escala poderá ser utilizada como um ponto de partida para o tratamento da abstinência neonatal (consultar secção 8.2). Se a abstinência neonatal for tratada de forma adequada, não são conhecidos problemas de saúde a longo termo associados a esta.

Source: Neonatal Abstinence Syndrome

Advertisements