Abstracts · Scientific Abstracts

Um estudo da Abstinência Neonatal de Narcóticos com duração de quatro anos: Avaliação e Tratamento

Matityahu Lifshitz MD1, Vladimir Gavrilov MD1, Aharon Galil MD2 and Daniella Landau MD3
1Unidade toxicológica, 2Centro de Desenvolvimento Infantil de Zusman, e 3Departamento de Neonatalogia, Centro Médico da Universidade de Soroka e Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade de Ben-Gurion do Negev, Beer Sheva, Israel

Palavras-chave: neonato, narcótico, síndrome de abstinência, dependência

RESUMO

Enquadramento: O abuso de narcóticos tem-se vindo a tornar mais prevalente em Israel e poderá resultar num aumento do número de bebés expostos a narcóticos na gestação, tendo como consequência o aumento  do número de neonatos com a SAN (Síndrome de Abstinência Neonatal).

Objetivo: Divulgar a nossa experiência com bebés nascidos de mulheres dependentes de narcóticos entre 1995 e 1998, no Soroka University Medical Center.

Metodologia: Foram analisados retrospetivamente os registos médicos de 24 recém-nascidos e das suas progenitoras toxicodependentes, que haviam sido admitidas no nosso Centro Médico para parturientes. Foi estabelecido um diagnóstico da SAN na base da apresentação clínica e na anamnese. A Escala de Avaliação de Finnegan de Abstinência Neonatal foi utilizada para avaliar a abstinência às drogas. Só se fez a análise toxicológica da urina para analisar a presença de narcóticos  no ano de 1998.

Resultados: Dos 24 recém-nascidos expostos no período pré-natal a narcóticos, 23 (96%) desenvolveram SAN e desses 23, 18 (78%) obtiveram uma pontuação de Finnegan igual ou superior a 8. Estes 18 bebés foram tratados farmacologicamente (tintura de ópio e/ou fenorbarbital) até a pontuação ter sido reduzida para menos de 8, tendo recebido tratamento de seguimento posteriormente. A medicação foi interrompida numa criança que se tornou letárgica após receber a primeira dose de tintura de ópio, tendo recebido apenas tratamento de seguimento. Quatro dos cinco neonatos com pontuações iguais ou inferiores a 7 receberam tratamento de seguimento. Um dos cinco bebés que havia obtido uma pontuação de Finnegan baixa após o parto, todavia, foi tratado farmacologicamente para prevenir a deterioração posterior do seu estado físico, visto este ter nascido com dispneia grave. Dez das 24 crianças (42%) foram seguidas por períodos de tempo de 6 a 22 meses após a alta hospitalar, nos quais todos apresentaram um desenvolvimento normal.

Conclusões: Cerca de três quartos dos recém-nascidos que apresentaram Síndrome de Abstinência necessitaram de tratamento farmacológico. Informação prévia referente ao abuso de drogas pela mãe é um critério crucial para um diagnóstico e tratamento precoce.

Source: A Four Year Survey of Neonatal Narcotic Withdrawal

Abstracts · Scientific Abstracts

Abstinência neonatal causada por dependência materna de substâncias voláteis

RESUMO
Objetivo: Determinar se neonatos nascidos de progenitoras dependentes de substâncias voláteis estão em risco de ter SAN (Síndrome de Abstinência Neonatal).

Metodologia: Uma amostra consecutiva de bebés nascidos de progenitoras dependentes de substâncias voláteis foi estudada durante quatro anos, num centro médico associado a uma universidade, com uma combinação variável de cuidados primários, secundários e terciários de doentes. Os bebés foram avaliados clinicamente com a Escala de Avaliação de Finnegan de Abstinência Neonatal. Aqueles que preencheram os critérios de pontuação a priori foram tratados com fenobarbital e a avaliação foi continuada.

Resultados: Dos 48 bebés, 32 preencheram os critérios para farmacoterapia. Os oito bebés com o odor característico e 15 dos 21 bebés nascidos de progenitoras com esse mesmo odor preencheram este critério. Os sintomas mais característicos foram o choro gritado e excessivamente gritado, insónias, reflexo de Moro aumentado, tremores, hipotonia, e dificuldade alimentar. A média de idades de início do tratamento foi de 27,1 horas e a duração média foi de 5 a 8 dias. O tratamento foi considerado eficaz em 17 de 27, enquanto os benefícios foram medianos em 3 e ausentes em 7.

Conclusões: Verifica-se que existe uma Síndrome de Abstinência Neonatal identificável causada por dependência de substâncias voláteis. O odor químico característico no neonato ou na progenitora é uma marca da sua ocorrência e o tratamento com fenobarbital aparenta ser eficaz. A Escala de Avaliação de Finnegan parece ser útil para classificar a sua gravidade.

Source: Neonatal withdrawal from maternal volatile substance abuse